Arquivo | Geral RSS feed for this section

Orionitas celebram Bodas de Diamante

11 mar

IMG_1722
Comunidade comemora os 60 anos do lançamento da Pedra Fundamental do Instituto São Pio X
Siderópolis

No Natal de 1955, o provincial da Congregação Orionita, Padre Giovane Valdástico, o padre Pedro Pellanda e o bispo de Tubarão Don Anselmo Pietrulla visitaram as comunidades de Belluno, Treviso e Urussanga procurando viabilizar a proposta de um espaço para a construção de um Seminário. A escolha recaiu na cidade de Siderópolis acontecendo o lançamento da pedra fundamental no dia 25 de março de 1956. Os 60 anos do lançamento da Pedra Fundamental será comemorada neste ano com uma vasta programação.

Comunidade lembra-se do começo dos trabalhos
Os trabalhos da Congregação Orionita em Siderópolis começou com os padres José Rosim, Pedro Pellanda e Domingos Sanguin. Com a ajuda da comunidade foi construído o Seminário São Pio X. O casal Emeri Daleffe e Eza Amábile Donadel Daleffe recordam o trabalho dos padres para manter as atividades. “O padre Pedro Pellanda visitava todas as comunidades na busca de doações para manutenção da casa e a alimentação dos seminaristas”, destaca Daleffe.

IMG_1754
Dona Eza conta que os Orionitas sempre tiveram uma boa relação com a comunidade. Ela sempre procurou contribuir nos trabalhos da igreja. Dona Eza foi ministra da eucaristia por 10 anos. Assim como dona Eza e seu Emeri, muitas famílias ainda hoje continuam contribuindo para a permanência dos Orionitas em Siderópolis.

Biografia de São Luís Orione – (1872-1940)

‘O Santo da Caridade’

pagina 11 - 3
O jovem João Luís Orione, nasceu em Pontecurone, um pequeno município na Diocese de Tortona, no Norte da Itália, no dia 23 de junho de 1872. Aos treze anos foi recebido como Aspirante num Convento Franciscano em Voghera, uma cidade próxima na Região de Pavia, saiu um ano depois devido à doença. De 1886 a 1889 foi aluno de Dom Bosco no Oratório Salesiano de Valdocco em Turim. No dia 16 de outubro de 1889 entrou no Seminário Diocesano de Tortona. Ainda jovem seminarista se dedicava a obras de solidariedade para com os necessitados, participando da Sociedade de Socorro Mútuo São Marciano e das Conferências Vicentinas. No dia três de Julho de 1892 abriu seu primeiro Oratório, um centro de educação cristã e de recreação para os meninos pobres. No ano seguinte, no dia 15 de Outubro de 1893, Orione um seminarista de 21 anos, fundou no Bairro de São Bernardino um Colégio, com escola em regime de internato, para rapazes de famílias pobres. No dia 13 de abril de 1895, Luís Orione foi ordenado sacerdote e, no mesmo dia, o bispo deu a batina a seis alunos do Colégio com vocação sacerdotal. Numa seqüência rápida, o Pe. Luís Orione abriu novas fundações em Mornico Losana na Região de Pavia, em Noto na Sicília, em Sanremo e em Roma. Ligados a Dom Orione se uniram Seminaristas e Padres que formaram o primeiro núcleo de uma nova Família Religiosa a Pequena Obra da Divina Providência. Em 1899 Dom Orione deu início a mais um Ramo da nova Congregação: os Eremitas da Divina Providência. O Bispo de Tortona, Dom Igino Bandi, com Decreto datado de 21 de Março de 1903, deu aprovação canônica aos Filhos da Divina Providência, Congregação Religiosa, composta por Padres, Irmãos e Eremitas da Família da Pequena Obra da Divina Providência. A Congregação e toda a Família Religiosa Orionita se propunha trabalhar para levar os pequenos os pobres e o povo à Igreja e ao Papa, mediante obras de caridade, desejando consagrar-se com um IV Voto de especial Fidelidade ao Papa. Já nas Primeiras Constituições de 1904 constava também o propósito de trabalhar pela união das Igrejas Separadas. Animado por uma grande paixão pela Igreja e pelas Almas, Dom Orione se envolveu ativamente nos problemas emergente da época: a luta pela liberdade e a unidade da Igreja, a questão romana, o modernismo, o socialismo, a evangelização das massas operárias. Dom Orione teve atuação heróica no socorro às vítimas dos terremotos de Reggio e Messina (1908) e da Marsica (1915). Por decisão do Papa São Pio X, foi nomeado Vigário Geral da Diocese de Messina por 3 anos. Vinte anos depois da fundação dos Filhos da Divina Providência, no dia 29 de junho de 1915, surgiu como novo ramo a Congregação das Pequenas Irmãs Missionárias da Caridade, Religiosas movidas pelo mesmo carisma fundacional. Ao novo ramo se associaram as Irmãs Sacramentinas Adoradoras não videntes e algum tempo depois as Contemplativas de Jesus Crucificado. O Pe. Luís Orione se empenhou em organizar grupos Leigos, as Damas da Divina Providência, os Ex-Alunos e os Amigos. Nos anos seguintes, outros grupos foram constituídos como o Instituto Secular Orionita — ISO e o amplo leque de Associações do Movimento Laical Orionita — MLO. Depois da primeira Grande Guerra (1914-1918) multiplicaram-se as escolas, colégios, colônias agrícolas, obras caritativas e sociais. Entre as muitas obras, as mais características foram os Pequenos Cotolengos, instituições destinadas aos mais sofredores e abandonados, localizadas nas periferias das grandes cidades, para serem novos púlpitos a anunciarem Jesus Cristo e sua Igreja e para serem faróis de fé e de civilização. O zelo e o amor missionário de Dom Orione cedo se manifestou com o envio de Missionários ao Brasil em 1913 e, em seguida à Argentina e ao Uruguai (1921), à Palestina (1921), à Polônia (1923), a Rodes (1925), aos Estados Unidos (1934), á Inglaterra (1935) e à Albânia (1936). Dom Orione esteve pessoalmente como missionário, duas vezes, na América Latina, em 1921 e nos anos de 1934 a 1937, no Brasil, na Argentina e no Uruguai, tendo chegado até ao Chile. Recebeu grandes demonstrações de estima de Papas e de Autoridades que lhe confiaram missões importantes e delicadas, para sanar feridas profundas no seio da Igreja e da Sociedade e em difíceis situações de relacionamentos entre a Igreja e a Sociedade civil. Dom Orione foi pregador popular, confessor e organizador de peregrinações, de missões populares e de presépios vivos. Grande devoto de Nossa Senhora, propagou de todos os modos a devoção mariana e ergueu santuários, entre os quais o de Nossa Senhora da Guarda em Tortona e o de Nossa Senhora de Caravaggio, na construção desses santuários será sempre lembrada a iniciativa de Dom Orione de colocar seus clérigos no trabalho braçal ao lado dos mais operários civis. Em 1940, Dom Orione atacado por graves doenças de coração e das vias respiratórias foi enviado e praticamente forçado pelos médicos e confrades a se retirar para a cidade de Sanremo, foi para lá protestando: não é entre as palmeiras que eu quero viver e morrer, mas no meio dos pobres que são Jesus Cristo. E ali, três dias depois de ter chegado, morreu no dia 12 de Março, sussurrando suas últimas palavras; Jesus! Jesus! estou indo.O corpo foi sepultado devotamente na cripta do Santuário da Nossa Senhora da Guarda e encontrado incólume vinte e cinco anos depois, em 1965. No dia 26 de Outubro de 1980, o Papa João Paulo II declarou Dom Orione Beato e no dia 16 de maio de 2004 o mesmo papa o declarou solenemente ‘Santo’ no Vaticano, hoje São Luís Orione, ‘apóstolo da caridade’.

Colaboração José Adilio

Anúncios

Um pouco da história de Angelina Zuchinali Neoti

11 mar

Angelina Zuchinali Neoti, nascida em 11/03/1920, na comunidade de Montanhão, em Siderópolis (Nova Belluno). Filha de Adamo Zuchinali e Joana Agassi. Aos 8 anos foi adotada por João Scaini e Tereza Zuchinali, o casal não tinha filhos, Tereza  era irmã de Adamo, por isso a adoção foi concedida, pois tinham a certeza de que neste novo lar, a filha Angelina seria tratada com todo o amor.

Angelina não teve a oportunidade de frequentar uma escola, pois desde criança, aos 8 anos já trabalhava na roça e também aprendia os afazeres domésticos.

Aos 16 anos teve seu primeiro namorado, Gentile Neoti, com quem se casou em 04/09/1937 e foi morar na comunidade do Rio Kuntz, em Siderópolis. Um ano depois, com a mineração chegando na comunidade, veio morar na Rua Benjamin Constant, no centro da cidade.

Desta união tiveram 11 filhos: Lori Donato, Ladelque, Laide, Lirica (In Memorian), Lirico, Ludimila (In Memorian), Leomar (In Memorian), Levi Marcos, Lindocir (In Memorian), e outros dois filhos, que faleceram com poucos dias de vida. Netos 20 e Bisnetos 20.

Angelina se recorda do tempo que seus filhos eram crianças, quando ficavam doentes e tinham que se deslocar de carro de boi até a cidade de Urussanga, para receber atendimento médico.

A família trabalhou em 1968 nas terras do Sr. Olivio Cesa (In Memorian), na comunidade de Nossa Senhora da Saúde, em Siderópolis, onde eram agregados.

Angelina e Gentile foram casados por 43 anos, quando em 03/09/ 1983, Gentile faleceu. Hoje, dona Angelina vive com seu filho Levi, na Rua Calixto de Mattia, em Siderópolis.

Ao final de nossa visita perguntei a Dª Angelina qual a receita para um casamento duradouro, e, ela respondeu: Muita paciência, respeito e tolerância.

Agradeço ao amigo Jorge Neoti a oportunidade de contar um pouco da história de vida de Angelina Zuchinali Neoti.

Siderópolis disponibiliza número para denúncias contra o aedes aegypti

25 fev

Siderópolis (25/2/2016) – A Secretaria de Saúde de Siderópolis disponibilizou um número de telefone para que a população faça denúncias de locais com possíveis focos do mosquito aedes aegypti, transmissor de várias doenças como dengue, zika e chicungunya.

A partir de agora as informações de pontos com água parada, entulhos e objetos que possam servir como criadouro do mosquito, serão apontadas por meio do número (48) 3435 3370. Uma profissional da saúde irá acolher a denúncia e repassar à vigilância sanitária ou controle da dengue, que irá averiguar e tomar as providências para desfazer os possíveis focos.
“O número de telefone é mais um aliado no combate ao mosquito. Além do trabalho que está sendo feito nas casas e nas empresas, ainda teremos acesso a todo o município por meio dos olhos da população”, destacou Jaqueline Elias, agente de endemias da Secretaria de Saúde de Siderópolis

.   

Carteiras de estudante já estão sendo confeccionadas em Siderópolis

23 fev

Os alunos que utilizam o transporte escolar de Siderópolis devem procurar a biblioteca pública municipal, localizada na Praça Central, para fazer ou regularizar a carteira de estudante. A confecção do documento, exigido para a utilização do transporte público dentro e fora do município, iniciou na última segunda-feira, 22.

Para fazer a certeira de estudante é necessário comprovante de matrícula de 2016, comprovante de residência, uma foto 3 x 4 e a carteira de identidade.  O atendimento está sendo feito das 8h às 12h e das 13h às 17 horas. 

A confecção leva em torno de 15 dias e enquanto o documento não estiver pronto, não será exigido dos estudantes nos trajetos. A Secretaria Municipal de Educação prevê a confecção de pelo menos mil carteiras para o ano letivo de 2016.  

Sobras do Siccob Credisulca somam mais de R$ 22,330 milhões em 2015

20 fev

sicoob credisulca
Na foto Dilnei Demétrio, Graziela Pacheco e Edson Luiz Sandrini

O valor representa 19,10% de crescimento em comparação com 2014. 

Os associados ao Sicoob Credisulca se surpreenderam com os resultados apresentados pela cooperativa, no exercício 2015. Em Assembleia Geral Ordinária (AGO), realizada na noite de ontem (19), em Turvo, a direção da cooperativa anunciou o valor de sobras de R$22.383.380,68 milhões. O valor é resultado das operações realizadas pelos associados durante todo o ano de 2015 e representa um crescimento de 19,10% em comparação com 2014.

Os dados foram apresentados pelo contador do Sicoob Credisulca, Nelson Gabriel, e mostraram que a cooperativa cresceu como um todo em 2015, com destaque para o patrimônio de referência, que somou 91.436.972,67 milhões, um crescimento de 30,24% em relação a 2014. Esse índice é uma metodologia de calculo normatizada pelo Conselho Monetário Nacional, onde está incluso o patrimônio líquido da cooperativa, deduzidos os riscos de mercado e liquidez, com ele é possível medir a capacidade financeira do Sicoob Credisulca.

Parte do valor das sobras, agora será devolvido aos associados, sendo 50% para a conta corrente e 50% na conta capital. Segundo o presidente do Sicoob Credisulca, Romamim Dagostin, o valor já estará disponível nas contas a partir da primeira semana de março. “Esse resultado só foi possível com a confiança que nossos associados depositam na cooperativa, e esses números expressam o empenho de nossos colaboradores para um atendimento de excelência, humanizado. 2015 foi um ano difícil economicamente para o país, mas a Credisulca acreditou que investir e apresentar soluções financeiras eficientes aos nossos associados seria um diferencial, e agora colhemos os resultados. Para 2016 temos o compromisso de elevar esses números”, destacou Dagostin.

João Júnior Colodel, associado e conselheiro do Sicoob Credisulca, ressalta a importância da cooperativa para a comunidade, tendo em vista o retorno das sobras para a economia local, movimentando a região. “O desempenho de 2015 foi excelente, e como conselheiro eu pude acompanhar o trabalho desenvolvido pela cooperativa para chegar a esse resultado, que agora retorna para a comunidade, e auxilia a economia local, movimentando indústria e comércio. O maior diferencial da nossa cooperativa é a mescla em trabalhar com sistemas modernos, de eficiência nas operações em conjunto com um atendimento personalizado, onde você pode sentar e conversar com o seu gerente com calma, isso nos dá confiança para a realização de bons negócios”, afirmou o associado. 

Composição dos Conselhos de Administração e Fiscal

Durante a AGO, também ocorreu a eleição dos novos membros para o Conselho Fiscal, para exercício até a próxima assembleia em 2017. Foram eleitos os seguintes associados:

Conselho Fiscal Efetivo:

– Cesar Augusto Mondardo

– Luiz Cornélio Pacheco Franscico

– Emílio Dela Bruna

Conselho Fiscal Suplente

– Saulo Camilo Moraes

– Antonio Luiz Giusti

– Valmir Valmes dos Santos

Rosi Mizeeski
Assessora de Comunicação

Afabess define ações para reinício das atividades dos clubes de mães e grupos da terceira idade em Siderópolis

19 fev

Siderópolis (19/2/2016) – Os quase 800 participantes dos clubes de mães e grupos da terceira Idade da Associação Feminina de Bem Estar e Assistência Social de Siderópolis (Afabess) já têm data e planejamento para iniciar as atividades em 2016. A partir do dia 08 de março as reuniões semanais serão retomadas com oficinas abertas de artesanato e intercâmbios entre os grupos, além de novas técnicas que serão repassadas pelas monitoras.

A definição das atividades para 2016 foi discutida e apresentada aos líderes e vice-líderes dos 29 clubes de mães e seis grupos da terceira idade pela diretoria da Afabess, que trabalha em parceria com o Governo Municipal de Siderópolis. “É uma honra poder coordenar novamente esses grupos de pessoas e contribuir para que tenham dias cada vez mais agradáveis com muito aprendizado, troca de experiências e novas amizades”, destacou a presidente da Afabess, Nadir Fontanella Cesa.

O vice-prefeito Roni Remor, que também participou da apresentação das atividades de 2016, enfatizou a importância desses encontros e os benefícios oferecidos aos participantes. “A alegria está presente em todos os encontros e não podemos deixar de apoiar o que faz bem para a população. Além da confraternização, muitas mães ainda utilizam o aprendizado nos clubes para melhorar a renda familiar”, afirmou o vice-prefeito.

Clube de mães no bairro Dona Sebastiana – O clube de mães número 30 da Afabess será criado no bairro Dona Sebastiana e as atividades iniciam também no dia 08 de março. “A comunidade nos procurou e pediu a criação desse grupo, vimos a viabilidade e já iniciamos o processo de abertura”, explicou a diretora da Afabess, Simone Bez Birolo. Segundo ela, as inscrições iniciam na próxima segunda-feira, dia 22, e podem ser feitas na sede da associação, no Centro Social Urbano, ou no Centro de Educação Infantil Municipal (CEIM) Olírio Césa, no bairro Dona Sebastiana.

Médicos de Siderópolis são capacitados sobre manejo clínico de pacientes com sintomas de dengue, zika e chicungunya

15 fev

Siderópolis (15/2/2016) – Os médicos das Estratégias de Saúde da Família (ESFs) de Siderópolis receberam informações sobre o manejo clínico de pacientes com sintomas de dengue, zika e chicungunya, doenças transmitidas principalmente pelo mosquito Aedes Aegypti. O protocolo foi repassado aos profissionais na tarde dessa segunda-feira, 15, pelo médico infectologista da Regional de Saúde de Criciúma, Raphael Elias Farias, em encontro realizado no Centro Social Urbano de Siderópolis. Segundo ele, os conceitos estão sendo padronizados para qualificar e agilizar o diagnóstico e os caminhos a serem adotados. “São três doenças e cada uma possui seus impactos e consequências, por isso é importante que todos os profissionais tenham as mesmas informações e saibam como agir quando aparecerem casos suspeitos”, afirmou Raphael Farias.Antes da palestra do médico infectologista, os profissionais de Siderópolis também receberam informações rápidas sobre a realidade dos focos do mosquito e todo o trabalho que está sendo desenvolvido na região para conter sua proliferação. “Encontramos focos do mosquito em alguns municípios da região e estamos trabalhando em conjunto com todas as cidades para impedir que esses focos se espalhem”, informou a bióloga da Regional de Saúde de Criciúma, Mariana Mantovani. De acordo com Mariana, em Siderópolis existem 47 armadilhas e pelo menos nove pontos estratégicos de acompanhamento. “Apenas um foco foi encontrado em 2015 no bairro Vila São Jorge, mas a preocupação deve ser mantida”, afirmou a bióloga.

A próxima capacitação deve ser feita nesta quarta-feira, 17, com todos os professores das redes pública e particular de Siderópolis. A ideia é difundir as informações também entre os estudantes. Um encontro multissetorial, um mutirão para recolher entulhos e objetos que acumulem água parada e a colocação de selos nas residências livres de criadouros, foram algumas das ações desenvolvidas até o momento no município.