Arquivo | abril, 2012

Homenagem ao trabalhador

30 abr

O Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Siderópolis (SISERP) parabeniza todos os servidores que de uma forma ou de outra, executa seu trabalho visando atender seus munícipes com muita responsabilidade fazendo o melhor a cada dia.

Que nesse 1º de Maio seja também um momento de reflexão por todos aqueles que tombaram lutando por direitos, hoje assegurados para todos nós.

PARABENS PARA TODOS NÓS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE SIDERÓPOLIS.

A Coordenação
Anúncios

Vendo Celta 2002

30 abr


“Vendo Celta 2002 VERMELHO FERRARI. 


Opcionais: Vidro elétrico, Trava, Alarme, Interface, Limpador e Desembaçador Traseiro, Ar Quente, Rádio MP3, Chave Reserva, Kit Mais(Aerofólio, Saias laterais, frontal e traseira) 


Lacrado, Segundo Dono LINDO!! R$ 16.500,00 Fone: (48)8802-5621 email: grasi.cs@terra.com.br”

Vila Esperança, em Siderópolis, ganha área de lazer

30 abr


A partir deste final de semana a comunidade de Vila Esperança, em Siderópolis, passou a desfrutar de uma praça e uma academia ao ar livre. O local possui brinquedos para as crianças e aparelhos para atividade esportiva para adultos. Além disso, foram colocados bancos e lixeiras, iluminação da Praça Dona Maria Doceira (Maria José da Silva), homenagem à líder comunitária falecida em 2003.

Pioneiros em destaque nos primórdios

30 abr



Núcleos Belluno e Nova Treviso, da Colônia Nova Veneza/SC, até 1915

Ronaldo David
Giovanni Pescatore – sentado, de chapéu – e sua família. Fez parte do 1º governo municipal de Urussanga, por Nova Belluno (acervo do autor)
Mediante a menção de datas ou anos importantes para a história dos atuais municípios de Siderópolis e Treviso, podem ser referenciados os primeiros pioneiros a terem destaque na vida político-administrativa das colônias de Nova Belluno, Nova Treviso, Seção de Rio Fiorita e o então distrito – depois município – de Urussanga.
1897 – ANTONIO REMOR é nomeado agente consular e vice-cônsul do Reino da Itália para o Estado de Santa Catarina. ANTONIO, que viera da Itália em 1893, foi morador de Jordão, e um dos pioneiros da imigração italiana para o Núcleo. Durante mais de uma década realizou um grande trabalho, percorrendo as colônias para atender reindicações dos seus conterrâneos, além de ter participado de setores administrativos do então futuro município de Urussanga (emancipado em 1900).
1900 – 6 de outubro – Com a emancipação administrativa de Urussanga, pela lei estadual n. 474, promovida pelo governador Filipe Schmidt, os territórios dos Núcleos de Belluno e de Treviso passam a integrar o novo município. Em 10 de dezembro, JACINTHO DE BRIDA foi nomeado Superintendente (o cargo atual de Prefeito), restando juramento como 1º governante do novo município, e sendo nomeados Conselheiros (comparados a Vereadores e/ou Secretários Municipais, para a Sede e estendendo as funções às suas localidades de origem) os cidadãos LUCCA BEZ BATTI, ANTONIO CECHINEL, GIOVANNI PESCATORE (de Nova Belluno)(destacado na fotografia, de 1898) e ANTONIO BARICCHELO (de Nova Treviso).
1901 – 8 de março – BELLUNO – ANGELO DAL FARRA é escolhido Fiscal Geral (uma espécie de Intendente ou similar a um Vereador, responsável pela fiscalização de obras públicas, pesos e medidas, impostos e ordem pública,podendo existir dois deles com mandatos simultâneos), para Nova Belluno, com mandato até 1905. É o primeiro desta categoria no Núcleo.
1901 – 5 de abril – O municío de Urussanga foi dividido em seções eleitorais, com a eleição dos seus membros diretores. Na 3ª Seção, em Belluno, foram escolhidos ARCANGELO PATEL, GIOVANNI PESCATORE ( já citado, e na foto), GIOVANNI DE BONA PORTON, GIUSEPPE FRASSETTO  e ANGELO STRADIOTTO. Na 4ª Seção, sediada em Nova Treviso, os membros escolhidos foram GIUSEPPE DAL-BÓ, GIACINTHO SALVATORE (depois SALVADOR), ANTONIO BARICCHELO, GABRIEL ZANELATTO  e ARTIDORIO DANDOLINI.
1901 – 17 de dezembro – É realizada nova divisão eleitoral em Urussanga, com a criação de mais uma Seção na sede do município e nova eleição dos membros responsáveis pela sua coordenação. Na 4ª Seção, em Belluno, foram escolhidos GIOVANNI PESCATORE (depois PESCADOR), GIOVANNI DE BONA PORTON, SERAFINO MEZZARI, ANTONIO REMOR (vice-cônsul residente em Jordão)  e  GIUSEPPE FRASSETTO,  efetivos, e, como suplentes, ANGELO SCALDI, ANGELO DAL FARRA  e SETTIMO VENTURINI (pela Seção de Rio Fiorita). Em Nova Treviso, na 5ª Seção, os novos membros escolhidos foram ARCANGELO BIANCHINI, PIETRO PAGANI, ANGELO DAL-BÓ, GIOVANNI PERRARO  e GIUSEPPE LOSSO, como efetivos, e, como suplentes, GIUSEPPE MAFIOLETTI, DOMENICO LAVINA e GIUSEPPE DAL-BÓ.
1902 – 27 de  fevereiro – RIO JORDÃO – AUGUSTO SAVARIS é escolhido Fiscal em Jordão, com mandato até 1905.
1902 – 30 de abril – NOVA TREVISO – GIUSEPPE LOSSO é escolhido Fiscal Geral, com mandato até 1905.
1902 – 7 de dezembro – LUCCA BEZ BATTI é eleito Superintendente (Prefeito na atualidade) de Urussanga, com os Conselheiros ARCANGELO BIANCHINI (de Nova Treviso), ANTONIO CECHINEL, SEBASTIÃO BEZ FONTANA, ANTONIO BARICCHELO (de Nova Treviso), CESARE CECHINEL e PEDRO NESI, como efetivos, e, como Suplentes, ANDREA TEZZA, PEDRO ZANELLATO,  BATISTA FONTANELLA (de Nova Belluno) e PEDRO BEZ BATTI, e  JOÃO FONTANELLA como Juiz de Paz. No dia 1º de janeiro de 1903, os eleitos tomaram posse.
1903 – 9 de janeiro – Apenas 8 dias após a posse, LUCCA BEZ BATTI é obrigado a deixar o cargo, obedecendo despacho do Governo do Estado, entregando a Superintendência do município a JACINTHO DE BRIDA. O ato é revertido em 15 de agosto, e LUCCA BEZ BATTI reassume a Superintendência, prevalecendo as eleições de 7 de dezembro de 1902, declaradas antes suspensas em 9 de janeiro de 1893.
1903 – 15 de março – NOVA TREVISO – ANGELO SCALCCHI é escolhido Fiscal Geral, com mandato até 1905. No mesmo dia, em Nova Belluno, SILVESTRO CECCONI é nomeado o 1º Inspetor de Quarteirão (similar a agente de polícia, na época), com mandato até 1905.
1905 – 20 de maio – NOVA TREVISO – GIACOMO ARIATT é escolhido Fiscal Geral, com mandato até 1906.
1905 – 3 de julho – NOVA BELLUNO – ANGELO MANENTI FIGLIO é escolhido Fiscal, com mandato até 1906.
1906 – 2 de janeiro – JORDÃO – ALESSANDRO BORTOLUZZI é eleito Fiscal, com mandato até 1910.
1906 – 1º de setembro – Para alicerçar sua função de educadores, no início do século XX,  nas colônias mencionadas, são professores e estão inclusos na folha de pagamento do município os mestres GIUSEPPE MAFFIOLETTI, GIOVANNI SPRICIGO, IGNACIO BARZAN, DAVIDE RASPINI, GIOVANNI ZANELATTO, GIUSEPPE PERUCHI, SERAFINO MEZZARI, MICHELE REMOR, PASCHOA LAZZARIN e BENVENUTA CECHINEL.
1906 – 5 de novembro – NOVA TREVISO – PIETRO FERREGATO é eleito Fiscal, com mandato até 1910.
1907 – 1º de janeiro – Toma posse o novo governo municipal, com LUCCA BEZ BATTI como Prefeito, e como membros do Conselho ARCANGELO BIANCHINI, SEBASTIANO BEZ FONTANA, ANTONIO CECHINEL, ANTONIO REMOR (de Jordão)  e EDGARD DA CUNHA CARNEIRO (o primeiro não italiano a ter mandato na região), como efetivos, e, como membros suplentes, GIOVANNI DE BONA PORTON, GERONYMO FELTRIN, ANDREA TEZZA e VINCENZO DE BONA.
1907 – 5 de novembro – SÃO MARTINHO – GIUSEPPE DE MATTIA  é eleito o 1º Fiscal da localidade, com mandato até 1910.
1909 – 13 de novembro – NOVA TREVISO – GIUSEPPE LOSSO  é novamente escolhido Fiscal, com mandato até 1912 (foi, com as várias nomeações que teve, a figura política de maior projeção político-administrativa para a localidade, nestes primórdios, em relação ao governo municipal de Urussanga).
1910 – 19 de dezembro – O governo do município de Urussanga assim se constituía: LUCCA BEZ BATTI (prefeito reeleito), e Conselheiros SEBASTIANO BEZ FONTANA (presidente), JACINTHO DE BRIDA, ATTILIO CASSOL BAINHA, ANTONIO REMOR (novamente, pela sua importância como pioneiro e agente consular – de Jordão)  e JOSÉ BÚRIGO, efetivos. Os suplentes eram GIACOMO DE BRIDA, JOSÉ PERUCHI, ANTONIO BARICCHELO (de Nova Treviso), DOMINGOS FONTANELLA  e STEFANO GIORDANI.
1911 – 18 de junho – NOVA TREVISO – GIACOMO ARIATI é escolhido Fiscal, com mandato até 1913.
1913 – 23 de agosto – Conforme ata da 6ª Sessão Extraordinária do Conselho Municipal de Urussanga, é criado o Distrito de Nova Belluno, com a aprovação unânime da Lei municipal nº. 60, assinada pelos conselheiros Sebastião Bez Fontana – Presidente do Conselho, ANTONIO REMOR (de Jordão) – Vice Presidente, Jacomo de Brida – Primeiro Suplente, Stefano Giordani – Quinto Suplente.
1914 – 31 de março – RIO JORDÃO – AUGUSTO SAVARIS é novamente escolhido Fiscal, com mandato até 1916.
1915 – 31 de março – NOVA TREVISO – CELESTE CANAPINI é escolhido Fiscal, com mandato até 1917. Alguns meses depois, em 23 de julho, ainda em Nova Treviso, ANGELO BRAMBILLA é escolhido Fiscal, com mandato até 1917.
1915 – 10 de agosto – JORDÃO – ARCANGELO REMOR é escolhido Fiscal, com mandato até 1917.
Outros líderes ainda surgiram nas décadas seguintes, alicerçando ainda mais a estrutura política-administrativa das localidades de maioria absoluta de imigrantes de origem italiana.
Bibliografia
DAVID, Ronaldo. HISTÓRIA DO MUNICÍPIO DE SIDERÓPOLIS. Monografia, 2012.
ESCARAVACO, Arnaldo. Urussanga – As imagens da História. Urussanga: Edição do Autor, 1984.  
MARQUES, Agenor Neves. Imigração Italiana. Urussanga: Edição do Autor, 1978.
URUSSANGA. Anais e Arquivo da Câmara Municipal de Urussanga-SC.

Escolas italianas: Nova Belluno e Nova Treviso

30 abr


AS ESCOLAS ITALIANAS NO INÍCIO DO SÉCULO XX NAS COMUNIDADES DE NOVA BELLUNO E NOVA TREVISO
Em outubro de 1906, o advogado Giuseppe Caruso MacDonald (1), Regente do Consulado do Reino da Itália, sediado em Florianópolis, capital do estado de Santa Catarina, publicava um Relatório (2) de viagem de inspeção pelas colônias italianas estabelecidas em território catarinense. O documento é extremamente detalhista, com as observações do diplomata sobre a realidade dos imigrantes, e os aspectos por eles enfrentados, seja clima, solo, a posição geográfica, a população do Estado e dos imigrantes italianos, uma verdadeira síntese de suas andanças entre os colonos, analisando suas aspirações, comentado e criticando os problemas encontrados e ponderando sobre o que poderia o Estado Italiano fazer por seus compatriotas então inseridos no contexto de uma outro país, reiniciando suas vidas.
No sul catarinense, o Cônsul italiano teve a assistência privilegiada de um observador ali residente, o agente consular ou vice-cônsul italiano, Antonio Remor, com sua residência em Rio Jordão Baixo, e já competente auxiliar de seus antecessores em Florianópolis, o Cavaleiro Alberto Roti e o Cavaleiro Príncipe Gherardo Pio de Savoia. Antonio Remor desde 1895 exercia estas funções, peregrinando pelas colônias do sul catarinense e assim permaneceria até o início da década de 1910. É figura histórica de importância capital para os primórdios da integração dos imigrantes com o território, e afiança sua imponência no seu trabalho a sua magnífica residência de pedra ainda existente em Jordão Baixo.
O Cônsul advogado Giuseppe Caruso MacDonald percorreu, no sul catarinense, as comunidades da região da Colônia de Nova Veneza – que englobava Nova Treviso, Belluno, Belvedere, Rio Fiorita, São Bento, Rio Jordão Baixo -, e de Urussanga, Criciúma, Accioly de Vasconcelos (depois Cocal do Sul), Azambuja e Pedras Grandes, em agosto de 1906. De suas anotações, destaca-se as referentes à educação dos imigrantes. Comentava o cônsul, em seu relatório, que pioneiros instrutores da língua italiana existiram desde o estabelecimento dos imigrantes, mas sem consistência e de forma oficial. A única escola que podia caracterizar-se como contínua e consistente era a da comunidade de Rio Carvão, interior da colônia de Urussanga, pelo esforço do mestre Benvenuto Cechinel, e estabelecida em 16 de agosto de 1893, e sendo sucedido por Gregório Bosa, em 1895, mas com frequencia esparsa de alunos.
Os primeiros subsídios que tornaram viáveis a construção e a manutenção de escolas e professores foram trazidos pelo antecessor de Caruso MacDonald, o cônsul Cavaleiro Pio de Savoia, ao final do ano de 1900, com a contribuição e solicitação decisiva de Antonio Remor, recebendo então as comunidades quantidades significativas de livros, material escolar, importâncias substanciais para a edificação e garantia da remuneração dos mestres a serem contratados pelas comunidades. Estes benefícios chegaram do Ministério dos Negócios Exteriores do Reino da Itália e pela Sociedade Dante Alighieri, fundada nestas colônias em 1891.
De imediato foram estabelecidas escolas de língua italiana primeiramente em Urussanga, no início de 1901, e em poucos meses em Jordão, Nova Belluno, Nova Treviso, São Martinho e Belvedere, privilegiando aqui a região compreendida pelos atuais municípios de Siderópolis, Treviso e Urussanga.
Entre as escolas estabelecidas estavam a de Jordão, inaugurada em 18 de janeiro de 1901, com a professora Elisabetta Remor; a primeira de Nova Belluno, fundada em 1º de fevereiro de 1901, com o professor Seraphino Mezzari, e a segunda sendo inaugurada em 5 de janeiro de 1902, com o mestre Giuseppe Peruchi;  a de Nova Treviso, fundada em 2 de janeiro de 1902, sendo contratado para o ofício o professor Davide Raspini (Angelo Dal-Bó, com pagamento oferecido pelos pais imigrantes, foi professor não oficial em período anterior, entre 1893 e 1897); também a escola de São Martinho, fundada em 2 de janeiro de 1901, com o professor Giovanni Damian e duas em Belvedere, sendo a primeira em 22 de abril de 1902, com a professora Giuseppa Maffioletti e a segunda em 2 de janeiro de 1905, com o mestre Giovanni Ferraro (3). Necessário é, para a perspectiva histórica, a lembrança destes nomes como os pioneiros da educação oficial, a partir da ação de agentes consulares do Reino da Itália, então o único mantenedor das comunidades descritas.
A partir deste início promissor, as escolas efetivaram-se e, conforme o Relatório do cônsul Caruso MacDonald, o movimento foi aumentando, estabelecendo-se inclusive escolas com funcionamento noturno. Em Jordão, por exemplo, destacou o diplomata que a frequencia às aulas foi tão intensa nos primeiros anos que a Sociedade Dante Alighieri dotou-a de uma pequena biblioteca, de caráter itinerante, proporcionando mais cultura à comunidade, a partir dos seus alunos, seguindo-se o exemplo em outras escolas de Urussanga.
As primeiras estatísticas produzidas pela Inspetoria de Ensino do município de Urussanga, em outubro de 1906, revelavam, com respeito a dados sobre os atuais municípios de Siderópolis e Treviso, que a escola de Jordão possuía 37 alunos (22 meninas e 15 meninas); as duas escolas de Nova Belluno mantinham, somadas, 65 alunos, sendo 51 meninos e 14 meninas; a de Nova Treviso possuía 30 alunos, com 13 meninos e 17 meninas (o único caso de maioria de alunas) e a escola de língua italiana de São Martinho continha 29 alunos, sendo 17 meninos e 12 meninas. Para o acompanhamento oficial destas escolas e sua manutenção e efetividade em ensino existiam comissões escolares e de supervisão, nomeadas pelo Cônsul em Florianópolis, e que eram auxiliadas estrategicamente, por sua nomeação como agente consular, por Antonio Remor, para que todas as medidas necessárias para o bom andamento da educação em idioma italiano pudessem ser tomadas.
Mesmo difundida pelos meios oficiais de Urussanga e nas comunidades, somente a partir do final da década de 1910, é que a língua portuguesa passaria a ser ensinada nas escolas da região. Em algumas comunidades mais isoladas, até o presente, o idioma mais utilizado, entre os mais velhos, é o italiano, mediante os dialetos vênetos, seja o bellunese, o bergamasco, o zoldano e o trentino (4).
NOTAS
1 – O advogado Giuseppe Caruso MacDonald, ao final de seu mandado como Cônsul do Reino da Itália, estabeleceu-se em Urussanga, e aí, conhecido como Doutor José, teve parte ativa no desenvolvimento político administrativo e econômico da comunidade.
2 – O Relatório foi publicado apenas nos Anais do Ministério de Negócios Exteriores do Reino da Itália, em 1907. Uma cópia foi conseguida pelo padre João Leonir Dall’Alba, e o documento relatado no livro “Imigração Italiana em Santa Catarina – Documentário”, de 1983, p. 146-182.
3 – DALL’ALBA, João Leonir. Imigração Italiana em Santa Catarina – Documentário. Florianópolis/Caxias do Sul: Lunardelli-EDUCS, 1983, p. 175.
4 – No “youtube” há vídeos com referências sobre o assunto.

Siderópolis – O jogo pode mudar no cenário político

29 abr

As definições para cabeça de chapa como adversário político de Helio Cesa (Alemão)nas eleições de 2012 a prefeitura de Siderópolis pode estar tomando um rumo diferente do atual. O atual candidato da situação, Marcos Feltrin pode estar cedendo seu espaço ao candidato do PDT, Elvi Donadel, ao que tudo indica nos próximos dias conversações devem girar em torno deste propósito. O fato e que o PDT divulgou na mídia escrita e falada, que esta há oito anos esperando sua vez, e que agora chegou sua vez. Sergio Gingo já afirmou que não aceita o PDT como vice de ninguém, dizendo que deve lançar uma terceira via. Nos próximos dias devemos ter novidades, vamos aguardar. 

Siderópolis – O jogo pode mudar no cenário político

29 abr

As definições para cabeça de chapa com adversário político nas eleições de 2012 a prefeitura de Siderópolis pode estar tomando um rumo diferente do atual. O atual candidato da situação, Marcos Feltrin pode estar cedendo seu espaço ao candidato do PDT, Elvi Donadel, ao que tudo indica nos próximos dias conversações devem girar em torno deste propósito. O fato e que o PDT divulgou na mídia escrita e falada, que esta há oito anos esperando sua vez, e que agora chegou sua vez. Sergio Gingo já afirmou que não aceita o PDT como vice de ninguém, dizendo que deve lançar uma terceira via. Nos próximos dias devemos ter novidades, vamos aguardar.